Coaching para Concursos e OAB

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Como se preparar para concursos com mais de uma prova

O concurso para a Receita Federal do Brasil teve provas no último final de semana, dias 10 e 11 de maio, mesmas datas do ISS-Florianópolis. O ISS-SP terá provas nos dias 11 e 18. Assim como esses, muitos concursos têm provas em dois momentos diferentes, seja manhã e tarde, dias subsequentes ou em dois fins de semana. O maior desafio aí, além da necessidade de superar o cansaço, é manter o empenho de fazer o melhor possível até o fim.

Não são raros relatos de candidatos que fazem a primeira etapa do concurso, acham que foram mal em alguma disciplina e nem vão fazer a segunda prova, ou vão totalmente sem confiança, apenas para “cumprir tabela”.

É preciso lembrar que muitas vezes questões são anuladas e, nesse caso, a pontuação será concedida a todos os candidatos. Isso pode ser o suficiente para garantir o mínimo em disciplinas com poucas questões e evitar a eliminação no concurso.

Além disso, o momento da prova é de muita tensão e às vezes o candidato tem a impressão de ter ido muito mal, sem que isso seja necessariamente verdade. Por outro lado, se uma prova estiver realmente muito difícil, pode ser que todos os candidatos (ou a grande maioria) tenham desempenho baixo e isso faz com que a nota para ficar classificado a nota de corte - seja efetivamente baixa. Há concursos tão difíceis que o candidato que consegue cumprir os mínimos exigidos fica dentro das vagas, mesmo não fazendo uma excelente pontuação.

Outro fato é que a avaliação do candidato bem preparado tende a ser muito rigorosa, exatamente por ter muito conhecimento dos conteúdos e ter elevada expectativa em relação ao próprio desempenho. Já quem estudou mais superficialmente por vezes não tem a real dimensão da prova e sai achando que “mandou bem”, o que nem sempre corresponde à realidade.

Este ano temos, ainda, uma situação atípica e mais favorável. Estão acontecendo diversos concursos em todas as áreas. Isso limpa a fila e aumenta a chance de aprovação para candidatos que em épocas de poucos concursos não teriam como competir com uma massa de candidatos que atingiram um patamar de excelência de muitos anos de preparação. Quem se dedicar de verdade e for para a prova com muita disposição tem boas chances de sucesso.

Além de tudo isso, seguir com empenho durante todo o concurso evita arrependimentos posteriores. A avaliação pode ter sido equivocada e o candidato descobre depois que conseguiu a pontuação mínima necessária na primeira etapa e que poderia ter obtido resultado muito melhor na etapa posterior.

Vale lembrar que o resultado só será conhecido quando for oficialmente divulgado pela instituição organizadora do concurso. Qualquer avaliação antecipada é mera especulação e pode comprometer um bom resultado.

Na pior das hipóteses, será possível que o candidato faça uma análise objetiva do que ainda precisa reforçar para um concurso seguinte. E isso não será possível caso não tenha efetivamente utilizado todos os seus recursos.

Relato Pessoal
Quando fiz o concurso para o ISS-Rio, foram 3 provas, com intervalo entre as mesmas, e uma discursiva. Havia divulgação de resultado a cada etapa, e na primeira prova eu tinha ficado numa colocação mediana (em torno da 200ª posição), que não garantia a classificação dentro das 50 vagas. Eu concorria com a nata dos candidatos que se preparavam para a área fiscal e vinha de 3 reprovações anteriores.
Confesso que esmoreci porque, em tese, aquela prova deveria ter sido a minha melhor pontuação, já que englobava as disciplinas de direito, minha área de formação. Dali para diante tudo deveria ser mais difícil, com resultados piores.

Foi um amigo quem me alertou para a bobagem que eu estava fazendo e fez com que eu “acordasse”. Retomei os estudos com garra e o resultado da 2ª prova, surpreendentemente, me deixou mais próxima das vagas.

A terceira prova deveria ser a pior para mim, pelas matérias envolvidas e pelo fato de algumas terem sido estudadas durante menos tempo. Exatamente por isso, “comi livros com farinha” e fiz centenas de exercícios. Fui para uma posição melhor ainda: 55º lugar.

Havia ainda um detalhe. Quando saí da prova, fiquei com a impressão de que a minha redação tinha sido medíocre. Quando saiu o resultado, tinha sido a melhor nota de todos os candidatos que tiveram a discursiva corrigida. E eu fui para o 5º lugar geral!

Conclusão
Assim, é essencial que o candidato vá até o fim da prova com plena disposição para ser aprovado, independentemente do que encontrar no decorrer das questões. Afinal, não se perde jogo antes de a partida terminar.

Fonte: G1 - Por Lia Salgado


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Ajude seus amigos concurseiros, divulgue o blog. =)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis