Coaching para Concursos e OAB

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Depoimento do Aprovado: Marina e Faustus (Técnico Judiciário do TRT/18)

Sabe aquelas perguntas que você estava doido para fazer aos concurseiros aprovados??
A Concurseira Dedicada faz por você!!

Os nossos entrevistados de hoje são é Marina Thompson e Faustus Gomes, casados e aprovados em diversos concursos.

1- Nome:
Marina Thompson e Faustus Gomes. Mas todo mundo conhece a gente como Nina e Faustinho!


2- Área de formação:
Nós dois somos formados em Publicidade. Inclusive, nos conhecemos na faculdade...

3- Cargo em que foi aprovado:
Fomos aprovados para o cargo de Técnico Judiciário – Área Administrativa do TRT 18º Região (Goiás)

4- Já havia sido aprovado anteriormente? Em que concurso?
Nina:
TJ/RJ, Cabo Frio – Técnico de Atividade Judiciária Sem Especialidade (34º)
TRT 9ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa (TJAA) (154º)
TRT 12ª Região – TJAA (69ª)
TRT 18ª Região – TJAA (25º)
TRT 8º Região – TJAA (197º)

Faustinho:
TRT 9ª Região – TJAA (399º)
TRT 12ª Região – TJAA (42ª)
TRT 18ª Região – TJAA (26º)
TRT 8º Região – TJAA (449º)

5- Quanto tempo demorou a ser nomeado?
Foram 6 meses entre a prova e a nomeação (TRT 18ª Região)

6- O que sentiu ao saber da aprovação?
O momento de ver seu nome na lista de aprovados é muito louco... Na verdade, é uma mistura de sentimentos. Eu, Nina, sabia que tinha ido muito bem na prova objetiva (errei somente uma questão que valia 1 ponto), mas não fazia ideia da nota da redação. Confesso que criei uma expectativa grande em cima disso. Sonhei até que ficaria entre os 10 primeiros... A classificação foi 25º, o que é MUITO bom, mas prova que o nível de cobrança das bancas, hoje em dia, é bem alto! Depois desse primeiro momento, nós dois fomos atrás do nome do Faustinho... Mal sabíamos que tava logo alí embaixo, em 26º! Imagina nossa cara de choque! Juro... Ficamos alguns bons minutos em silêncio. A ficha demorou pra cair. Demorou MESMO. Só caiu agora, com as nomeações. Aí, teve choro, grito e muita cerveja!

7- Pretende continuar estudando para concursos? Para qual cargo?
Pretendemos sim continuar estudando pra concurso. Nossa ideia agora é começar a trabalhar, entender o dia a dia da profissão e, assim que der, fazer uma faculdade de Direito (nós dois). Pensamos em continuar na área trabalhista, mas como Oficiais de Justiça.

8- Há quanto tempo estudava para concursos?
Eu, Nina, tive o primeiro contato com esse mundo concurseiro no final de 2010. Mas durante 1 ano (mais ou menos) eu não sabia estudar... Fazia tudo errado. Claro que essa fase foi importante pra eu entender o básico das matérias, mas eu realmente só entrei de cabeça no finalzinho de 2011, para a prova do TJ/RJ. Já o Faustinho, enroloooouuu pra começar. Eu falava pra ele que aquilo poderia ser o nosso futuro, mas, na época, ele trabalhava muito e não conseguia achar tempo pra focar em concursos. No final de 2012, tivemos uma conversa “daquelas”! Tipo decisão de vida! Foi quando ele começou a estudar. Aí, largamos todos os trabalhos (a gente trabalhava muito em casa, editando vídeos) e decidimos encarar o estudo como o novo trabalho. Uma coisa que foi importantíssima nesse processo: o Faustinho pesquisou bastante a respeito de aprovações de outros concurseiros, pra tentar entender o que eu estava fazendo de errado! A partir daí, decidimos focar apenas em TRTs, o que ajudou DEMAIS. Acho que essa vale como uma dica: focar em uma área e seguir até o fim.

Resumindo, eu fiquei 18 meses estudando DE VERDADE até a prova de Goiás, que foi a penúltima que a gente fez. E o Faustinho somou 10 meses até a mesma prova. Foram períodos curtos... Mas bem intensos.

9- Quantas horas por dia dedicava aos estudos?
Em média, dedicávamos de 6 a 8 horas por dia. Mas queremos deixar claro que eram horas líquidas, inclusive eram horas religiosamente cronometradas! Aí vai outra dica: tenha um cronômetro. Essa foi uma sugestão dada por muitos concurseiros em fóruns.

10- Tinha dedicação exclusiva?
Desde o final de 2012, só estudamos.

11- Fez planejamento de estudos?
Nós dois não morávamos juntos, mas compartilhávamos uma rotina de estudos bem parecida. Inclusive com momentos Skype para tirar dúvidas e resolver questões de provas anteriores. Pra isso, organizamos um ciclo de matérias (priorizando algumas, dividindo por horas...). Essa é uma estratégia bem bacana que pegamos do “Manual do Concurseiro” do Alexandre Meirelles. Funciona MESMO.

12- Estudava quantas matérias por dia? Matérias por dia?
A gente não tem como precisar... Variava muito de acordo com os editais, com a proximidade da prova e com as nossas deficiências em alguns pontos.

13- Fez cursinho? Online ou Presencial?
Nós dois iniciamos nossos estudos (cada um na sua época) com cursinhos presenciais. Eu fiz por mais de 1 ano... O Faustinho fez bem menos. A gente percebeu que o curso presencial é legal pra ter um primeiro contato com esse mundo. Mas o que faz a diferença é o quanto se estuda em casa, pra valer. Fizemos diversos cursos em PDF e algumas vídeo aulas.

14- Fazia turma intensiva ou regular?
Fizemos tanto a turma intensiva quanto a regular. Mas nenhuma por completo...

15- Estudava por mapas mentais ou resumos? Eram elaborados por você?
Resumo é uma coisa muito bacana... É uma boa forma de olhar a matéria mais de uma vez. Eu, muuiiiiito chata com organização, fazia resumo de quase tudo! Juntava aula, livro e resolução de questões num fichário gigante! Vou até guardar de recordação.... Já o Faustinho, mal pegava uma caneta! Só lia os livros e PDFs e resolvia muitos exercícios pelo computador. Mas na reta final pra cada prova (faltando umas 2 semanas) a gente usava os resumos e alguns mapas mentais como fontes principais de estudo.

16- Qual foi sua maior dificuldade durante o período de preparação?
A minha maior dificuldade foi conseguir enxergar que estava estudando de forma errada. O Faustinho nem tinha começado a estudar e já me falava que eu deveria mudar o método... Ele lia muito sobre isso nos fóruns. E a maior dificuldade pra ele foi conseguir largar tudo e entender que esse era o melhor caminho pra gente ter um futuro seguro, juntos.

17- Passou por períodos de desânimo? Se sim, o que fazia para retomar os estudos?
Nunca passamos por nenhum período de desânimo. Acho que porque, a cada prova, a gente percebia uma melhora significativa. Foi uma escadinha mesmo! Para aqueles que desanimam: nunca deixe de se questionar a respeito do motivo que te levou a começar a estudar. Tem sempre que ter um “porquê”. Ele é o impulso.

18- Chegou a pensar em desistir?
Nunca pensamos em desistir. Pelo contrário, a gente sempre pensava em NUNCA desistir!!! Vale aqui um clichê de concurseiro: “Só não passa quem desiste”.

19- Tinha o apoio de sua família e amigos?
Tivemos total apoio das famílias... Inclusive financeiro. Largar tudo pra estudar exige um suporte. Os amigos também entenderam de cara as nossas necessidades.

20- Costumava sair aos finais de semana? Acho que a gente entrou numa onda de não ser sociável, o que é bem normal pra quem quer alcançar um objetivo a curto prazo. Não tinha final de semana de farra. No máximo uma cervejinha na casa de um ou do outro.

21- Praticava exercícios físicos?
Exercícios físicos... Nunca deixe de fazer!!! Eu, Nina, engordei 11 quilos entre 2011 e 2012. Inventava a desculpa de que os estudos não me permitiam sair pra malhar, correr... Puro engano! Quando estabeleci uma rotina de estudos (em 2013), encaixei um horário pra me exercitar. Perdi os 11 quilos e ganhei muita disposição pra estudar mais e mais. Foi quando alcancei minha melhor forma física e mental. Começar o dia com alguma atividade física é uma boa dica... Ajuda a oxigenar a cabeça! Já o Faustinho sempre se cuidou nessa área, então só adaptou a rotina de exercícios físicos à rotina de estudos.

22- Usava as redes sociais no período pós edital?
Na nossa vida pré estudo, era Facebook toda hora. Então, decidimos deletar os dois perfis e criar “perfis concurseiros” (sem amigos nem família pra atrapalhar). Serviram muito pra acompanhar aquele burburinho de pré edital, quantidade de inscritos, gabarito preliminar, resultado, nomeações... O Facebook é uma ferramenta super útil pra concurseiro, mas tem que saber usar. A gente definia o momento do dia pra isso. Não adianta nada abrir o Face e resolver questões com aquele troço pipocando no fundo da tela... Então, usem com moderação!

23- O que costumava fazer no dia anterior à prova?
Nosso dia anterior à prova era sempre muito tranquilo. A regra era não estudar! Como fizemos muitas provas fora da nossa cidade (Rio de Janeiro), a gente ia explorar as redondezas dos hotéis. Acho que cada um funciona de um jeito, mas, no nosso caso, queríamos distância de qualquer coisa relacionada à prova.

24- Arrepende-se de algo que fez ou deixou de fazer durante sua preparação?
Acho que não temos nenhum arrependimento. Tudo aconteceu da forma que tinha que acontecer... Até a demora pra entender o que era realmente estudar pra um concurso fez parte do caminho.

25- Deixe um recado aos concurseiros
Pra finalizar, queremos agradecer o convite do blog e dizer pra quem tá começando: concurso público não é um bicho de 7 cabeças. Não é difícil, mas dá trabalho. Independentemente do que você faz no seu dia a dia, sempre é possível se adaptar. Lemos muitos depoimentos de pessoas com filhos e trabalhos que alcançaram seus objetivos estudando nas horas possíveis. Não existe milagre, existe dedicação, comprometimento e esforço. E, gente, vale muito a pena! Foi por causa das nossas aprovações que conseguimos nos casar (foi agora, no comecinho de Fevereiro) e finalmente aliviar as contas bancárias dos nossos pais! A gente queria aproveitar o espaço pra agradecer ao Eduardo Simão e à sua irmã gêmea, Vivian, que nos incentivaram muito com dicas preciosas sobre concursos... Esses dois também dariam ótimos depoimentos. Uma coisa que deve ficar: você não precisa ser nenhum gênio pra passar em um concurso. Você precisa querer.

-> Quer participar da coluna depoimento do aprovado? Deixe nos comentários seu e-mail e cargo em que foi aprovado que entrarei em contato via e-mail! ;)

8 comentários:

  1. Que lindo depoimento! Fiquei feliz e emocionada por ver um casal que deu tanta força um pro outro e dividiu essa fase chata. De forma merecida, alcançaram a nomeação juntos!

    ResponderExcluir
  2. MUito bom, adorei ler esse depoimento e eu concordo plenamente. eu estudei por 3 meses consecutivos e ia aumentando gradativamente as horas do dia e tb contava as horas liquidas... anotava... comecei as 8:10 parei as 9 comecvei as 9:30 parei as 11... e assim por diante e depois contava quantas horas dava no dia...

    estudei com uma amiga...junto as materias, ela nao era da area de Direito e eu era...acabei ensinando a ela.. ela nao passou pq ficou na digitacao na segumda fase.. mas fez tipo 4 pontos a menos do que eu...

    hoje trabalho numa seção judiciaria do TRF, como tecnica judiciaria, nao vou dizer em qual para nao me expor na internet.

    agora ficou uma duvida e eu sugiro que a autora do blog acresente essa ultima pergunta com a resposta deles... ela disse que estudava errado e nao deu a dica de como é estudar certo... o que exatamemnte ela fez para estudar certo, como era o errado? eu quero estudar e passar num concurso melhor ainda do que o meu... hj em dia esta bem diferente... trabalho aqui ha 9 anos ja..

    beijos

    ResponderExcluir
  3. Adorei o depoimento, mas fiquei muito curiosa com "estudava errado". Deborah será que não tem como fazer essa perguntinha para ela ??? Isso poderia nos ajudar muitoooo. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Belo depoimento. Mas eu queria saber como estudar de maneira correta. Poderia me responder?
    Obrigada;

    ResponderExcluir
  5. Olá,gostaria de saber qual foi a bibliografia usada na preparação.
    Obrigado

    ResponderExcluir
  6. Casal determinado sou amiga dos 2 e sei quanto tempo que abdicaram para alcançar esse objetivo. ..e sinto orgulho de ter amigos assim! Bj Nina e Faustinho :* Vanessa Malerba

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!
Ajude seus amigos concurseiros, divulgue o blog. =)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis