Coaching para Concursos e OAB

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Depoimento do Aprovado - Rafael Mota

Sabe aquelas perguntas que você estava doido para fazer aos concurseiros aprovados??
A Concurseira Dedicada faz por você!!

Nosso 9o entrevistado é Rafael Mota, aprovado nos concursos: Caixa Econômica Federal - Técnico Bancário, Banco do Nordeste - Técnico e Advogado, Tribunal Superior Eleitoral - Analista Judiciário, Superior Tribunal de Justiça - Analista Judiciário, Correios - Advogado e PFN/2012 .

1- Nome:  
Rafael Mota

2- Área de formação:  
Direito\Jurídica


3- Cargo em que foi aprovado: 
Procurador da Fazenda Nacional

4- Já havia sido aprovado anteriormente? Em que concurso? 
Já fui aprovado nos concursos da Caixa Econômica Federal (fiquei lá durante 3 anos, no cargo de Técnico Bancário), Banco do Nordeste (Técnico e Advogado), Tribunal Superior Eleitoral (Analista Judiciário), Superior Tribunal de Justiça (Analista Judiciário) e nos Correios (Advogado). Vale ressaltar que só fui nomeado no concurso da Caixa.

5- Quanto tempo demorou a ser nomeado? 
Ainda não fui nomeado. Mas entre o início do meu plano de estudos até o resultado final do concurso houve um intervalo de dois anos. Pedi demissão do meu emprego na Caixa em maio de 2011, iniciei um plano de estudos sério neste período e a homologação do concurso sairá em maio de 2013.

6- O que sentiu ao saber da aprovação?  
Uma sensação de alívio... Lutei muito para ser aprovado, abdiquei de muitas coisas (até do meu emprego público, em que tinha um cargo comissionado e ganhava razoavelmente bem). Tirei um peso grande das minhas costas. Sensação ótima de que tudo valeu a pena e que uma etapa da sua vida se encerrou. Como a aprovação foi no cargo em que sempre quis, então dá pra imaginar um pouco como fiquei feliz e aliviado.

7- Pretende continuar estudando para concursos? Para qual cargo?  
De forma alguma. Vou ficar na PFN até me aposentar. Passei no concurso que sempre quis.

8- Há quanto tempo estudava para concursos? 
Comecei meus estudos para concurso no começo de 2008, quando ainda estava nos últimos semestres da faculdade. Estipulei que minha meta seria o próximo concurso da PFN (que só saiu ano passado, em 2012), porém fui nomeado na Caixa nesse período, o que atrapalhou um pouco meu plano. Voltei a estudar com alguma organização no segundo semestre de 2009 até o final deste mesmo ano, quando meu pai faleceu e fiquei sem condições psicológicas de estudar (pensei até em desistir de concursos): do início de 2010 até maio de 2011, praticamente não estudei. Tomei uma das decisões mais difíceis (e acertadas) da minha vida ao pedir dispensa do meu emprego na CEF e voltar com TODAS AS FORÇAS a estudar. Voltando a pergunta: estudei com afinco de maio de 2011 até o início de 2013, mas já tinha uma bagagem de estudos, o que me ajudou bastante.

9- Quantas horas por dia dedicava aos estudos? 
Procurava manter um horário de 8h da manhã até 22h. Nos estudos para a segunda fase, esticava até 0h. Fazia pausas para tomar café (meu vício), lanchar, almoçar, jantar, etc. Não estou com historinha heróica de recém-aprovado. Como diz um amigo meu, também aprovado na PFN, tive que ter muito sangue nos olhos.

10- Tinha dedicação exclusiva? 
Sim. Pedi dispensa da Caixa em maio de 2011 e fiquei por conta dos estudos. Graças a Deus minha família entendeu e me bancou todo esse tempo, até a aprovação. Sem eles não teria conseguido.

11- Fez planejamento de estudos?  
Sim, com certeza. Em cada fase do estudo, utilizei uma estratégia diferente. Na primeira fase (prova objetiva), fiz muitas questões (mais de 25.000) no site Questões de Concursos, bem como em livros de questões, além de TENTAR estudar a letra da lei (muito difícil para muitos, tenho certeza) e jurisprudência sumulada dos tribunais superiores. Na segunda fase (provas subjetivas) li muita jurisprudência do STF e do STJ (recursos repetitivos, decisões de Seção, jurisprudência consolidada..), MUITA doutrina (estipulei uma meta de 200 a 250 páginas por dia) e material específico para a PFN, como artigos científicos da Revista da PGFN, Pareceres, etc, além de fazer alguns cursinhos. Na prova oral, fiz uma revisão de tudo que havia estudado.

12- Estudava quantas matérias por dia?  
Tentava esgotar uma matéria por vez, sem prejuízo de voltar a estudá-la em um momento posterior. Muita gente torce o nariz para este método, mas foi o que funcionou para mim. Se eu estudar várias coisas ao mesmo tempo, acabo me perdendo. Método de estudo é algo muito pessoal.

13- Fez cursinho? Online ou Presencial?  
Fiz cursinhos para as provas subjetivas (online) e um curso para a prova oral (presencial, em Brasília). Recomendo os cursinhos que fiz, especialmente para a prova oral (Observatório dos Tribunais).

14- Fazia turma intensiva ou regular? 
Os cursinhos foram montados para aquelas fases do concurso. Numa eventual aprovação na primeira fase, recomendo que o candidato faça um curso específico para elaboração de peças, pareceres e resolução de questões discursivas. No caso da prova oral, foi essencial para me manter calmo na hora da arguição.

15- Estudava por mapas mentais ou resumos? Eram elaborados por você?  
Resumo é um método de estudo muito eficaz, mas não é eficiente. Se funcionar para você, vai fundo. Eu não resumia porque considero muito trabalhoso e pouco eficiente, mas conheço algumas pessoas que foram aprovadas em outros concursos fazendo resumo. Como disse, método de estudo é algo muito pessoal.

16- Qual foi sua maior dificuldade durante o período de preparação? 
O pensamento de não saber se vai dar certo e dores nas costas. Concurseiro antes de tudo deve ter equilibrio emocional. Sempre ter pensamento positivo para superar toda dificuldade que aparecer pela frente. Sem isso não teria conseguido passar o carnaval todo sozinho em casa (toda minha família havia viajado) para estudar hehehe.

17- Passou por períodos de desânimo?  
Se sim, o que fazia para retomar os estudos? Isso é normal na vida de quem estuda para concurso. Estamos sempre tentando superar nossos limites físicos e mentais e em alguma hora o desânimo pode chegar, seja por não visualizarmos uma evolução no nosso estudo, seja pela ausência de resultados concretos, dentre outros motivos. É fundamental manter sempre o pensamento positivo, o foco, a concentração, o equilibrio, e no meu caso, acreditar em Deus. Sempre coloquei Ele em primeiro lgar na minha vida.

18- Chegou a pensar em desistir?  
No meu ciclo anterior de estudos, como disse acima, meu pai faleceu e não tive condições de continuar meus estudos por um tempo. Foi o único momento em que pensei em desistir. Tive forças para me recuperar e alcançar minha tão sonhada aprovação, graças a Deus!

19- Tinha o apoio de sua família e amigos?  
TOTAL. Sem esse apoio não teria conseguido. Minha família apostou em mim quando disse que ia pedir dispensa do meu emprego: me bancaram durante todo esse tempo. Foi essencial.

20- Costumava sair aos finais de semana?  
Até o resultado da primeira fase, tinha uma vida social. Quando passei a estudar para a segunda fase e para a prova oral, parei com todo tipo de lazer. Meus finais de semana foram preenchidos com grupos de estudos, leituras mais leves, etc. Então posso dizer que durante um tempo (até a primeira fase) mantive minha vida social.

21- Praticava exercícios físicos? 
Não. E acho que teria me saído melhor se tivesse feito algum esporte, mesmo que por pouco tempo, diariamente. Fiquei com dores nas costas de tanto estudar. Acho que se tivesse feito uma caminhada de meia hora por dia teria evitado isso.

22- Usava as redes sociais no período pós edital?  
Sim, mas usava moderadamente.

23- O que costumava fazer no dia anterior à prova? 
Tentar dormir rsrs. É difícil deitar e dormir nesses dias. Tento relaxar ao máximo, não ficar muito agitado, pois o sono no dia anterior à prova é muito importante. Leituras leves no dia anterior.

24- Arrepende-se de algo que fez ou deixou de fazer durante sua preparação?  
Deveria ter dado mais atenção à letra da lei na primeira fase e ter feito algum exercício físico durante o tempo de preparação.

25- Deixe um recado aos concurseiros. 
Pode ter certeza que se você seguir seu plano de estudos, ter foco, determinação e PRINCIPALMENTE não desistir você obterá sua sonhada aprovação. Tenha sempre fé em Deus. Saiba que passar em concurso é questão de conhecimento, tempo e paciência. Não desanime com os obstáculos e dê o seu máximo. Sua vitória é certa! Abraço.


 -> Quer participar da coluna depoimento do aprovado? Deixe nos comentários seu e-mail e cargo em que foi aprovado que entrarei em contato via e-mail! ;)  



Um comentário:

  1. Já havia lido o depoimento do Vitor França e adorado! Gostei muito desse também. Difícil achar depoimento de aprovados na PGFN,principalmente com dicas sobre as especificidades do concurso elaborado pela Esaf! Parabéns pela iniciativa, Débora! E parabéns, Rafael Mota, futuro colega de trabalho!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!
Ajude seus amigos concurseiros, divulgue o blog. =)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis